Arquivo da categoria: Psicologia do Cotidiano

Psicologia e Espiritualidade: Uma integração que pode dar certo.

Um assunto muito atual mas ainda polêmico por cruzar duas importantes fronteiras do conhecimento: Espiritismo e Psicologia.  O espiritismo apesar de ser considerado uma grande tendência, presente na crença e filosofia da vida de muitas pessoas, incluindo profissionais da  área, ainda sofre alguns conflitos em relação à integração com a ciência da psicologia.

Os conselhos de psicologia advertem a importância por parte dos profissionais da distinção entre estas duas racionalidades, devido à observação de que em alguns casos as fronteiras do conhecimento tradicional e científico não são respeitadas. Nestes casos é possível exemplificar profissionais da área da psicologia, que utilizam em suas técnicas psicológicas a integração do esoterismo. Não é permitido por parte do psicólogo , infringir em sua prática o código de ética profissional, submetendo os pacientes a tratamentos fora do cunho científico. Não se trata de certo ou errado e nem mesmo com quem está a razão e sim  na implicação de questões éticas, já que o código de ética é bem claro no que diz respeito à associação do conhecimento da psicologia com conhecimentos de outra ordem. Outra importante questão de ordem ética é o cuidado que o psicólogo deve ter a não induzir seu paciente a nenhum tipo de crença e religião .

Os conselhos de psicologia reconhecem que a psicologia e a espiritualidade, transitam em campo comum sendo fundamental o entendimento do diálogo entre estes dois conhecimentos, razão pela qual buscam alertar a  cautela por parte dos profissionais, bem como a busca pela informação e orientação. Também é reconhecido que a psicologia apresenta uma dimensão espiritual mas não religiosa, sendo esta zona de conflito a razão que remete a necessidade do aprofundamento no debate da interface Psicologia com a Espiritualidade e saberes tradicionais. A OMS compreende que a integração do saberes tradicionais é articulável aos saberes científicos, daí a importância do diálogo das duas áreas para maior compreensão da subjetividade e interfaces estabelecidas pela psicologia com outras ciências e religiões.

Atualmente existem importantes estudos e movimentos com a finalidade de aproximar a psicologia com as religiosidades e saberes tradicionais. A doutrina espírita apresenta certo dinamismo que dentro de suas crenças e lógicas, possibilita ao ser humano adotar sua filosofia de vida , traçando um caminho sem que este seja afastado do conhecimento científico. Desta forma a psicologia espírita  ainda não é uma abordagem e nem estilo terapêutico, mas sim a possibilidade de uma expressão que integra saberes conectados pelos conhecimentos da ciência do campo da psicologia e a filosofia de vida do espiritismo , investigando o que há em comum entre as duas áreas. A idéia é empregar uma visão transdisciplinar  que visa a integralidade do ser humano ( mente, corpo e espírito ) respeitando as fronteiras de ambos os saberes.

A psicologia transpessoal é uma tendência moderna que mais se aproxima com as questões da espiritualidade, tendo como um dos seus fundadores Abraham Maslow. Nasceu nos anos 60 a partir das experiências com estados alterados da consciência considerando estados provocados pelo uso de substâncias alucinógenas até vivencias místicas espirituais. Permite a integração dos princípios de diferentes correntes psicológicas, com postulados da física quântica e entendimentos budistas. Busca compreender o ser humano a partir de conhecimentos que vão além da mente e do espírito, englobando a totalidade das diferentes partes. Reconhece  a espiritualidade e necessidades transcendentais, como aspectos inerentes da natureza humana. É definida por Maslow como a quarta força da psicologia que sucede as correntes do Behaviorismo, Psicanálise e Humanista.

 

 

Um dilema chamado Trabalho de Conclusão

Hoje vou falar sobre o dilema na vida dos estudantes nesta época do ano que se chama TCC. O trabalho de conclusão de curso representa  para maioria um verdadeiro terror, sendo um estressor capaz de interferir seriamente em outras áreas da vida ( como por exemplo, pessoal e profissional) e provocar intenso estado de ansiedade, alterações no sono e sintomas depressivos. Entre os pensamentos recorrentes estão as crenças de incapacidade. Em termos comportamentais, uma das condutas   mais presentes está a procrastinação . Mas por que isso tudo acontece?

A resposta é complexa , pois envolve diferentes linhas de entendimento, entre elas a existência do fenômeno chamado “ bloqueio do escritor ou bloqueio criativo”  que envolve  a perda temporária da habilidade de escrever e produzir, por falta de inspiração, criatividade, segurança ou até mesmo motivação. Existe também a síndrome do estudante que se refere ao fato de que muitos estudantes só conseguem se dedicar efetivamente a uma tarefa próximo ao seu prazo final. Não importa a causa, a grande questão é a inibição do comportamento de produzir que resulta como resposta o estresse, a procrastinação e a negação do que precisa ser feito. A procrastinação não necessariamente está associada ao bloqueio do escritor ou a síndrome do estudante, podendo ser um comportamento independente, presente devido às questões relacionadas ao mau gerenciamento do tempo, perfeccionismo e crenças de incapacidade. As pessoas procrastinam quando não gostam do que precisa ser realizado ( priorizando atividades mais prazerosas),  por ativação das crenças de incapacidade , perfeccionismo,  dificuldades no planejamento e organização ou por perceberem negativamente suas responsabilidades.  O estudante normalmente sente-se dominado pela pressão, tensão, perda do foco e incertezas quanto à sua eficiência e produtividade, razões que o levam a procrastinar como tentativa de solucionar temporariamente estas questões negativas. Tal comportamento vira um ciclo de atraso e acúmulo do que precisa ser feito, gerando um efeito debilitante na vida pessoal .

Entre as técnicas psicoterápicas, capazes de auxiliar neste processo estão as cognitivas e comportamentais. A finalidade é serem trabalhada as  inseguranças e medos ( muitas vezes irreais ) de modo a substituir comportamentos paralisantes por respostas de ação e condutas adaptativas. O foco do problema é substituído, ou seja, ao invés de focar a dificuldade no produzir, orienta-se os objetivos  em direção à modificação no modo de relacionar-se com problema. Adota-se a seguinte auto instrução: “A situação não pode ser modificada , mas eu posso modificar como me relacionar às dificuldades que percebo no problema, encontrando estratégias funcionais de enfrentamento , orientadas para a solução.”

Alguns conceitos importantes a serem trabalhados do ponto de vista cognitivo estão a criatividade , auto eficácia e pensamento produtivo. A solução de problemas requer formas de atuação criativa, aumento do pensamento produtivo cujo objetivo é o interesse voltado para a descoberta de como a auto eficácia pode ser maximizada e as reações emocionais negativas minimizadas. O primeiro passo é a análise da situação-problema, sendo listados os possíveis problemas e estratégias para enfrentamento e solução dos mesmos. Entre as situações problemáticas previstas, estão as questões pessoais e   externas que podem interferir negativamente no processo.

Para o planejamento, são traçados objetivos realistas  a serem alcançados a curto, médio e longo prazo e o que cada um exige para sua execução. Técnicas de relaxamento são indicadas tanto na fase inicial de planejamento para a criação das alternativas como na fase de execução. O relaxamento minimiza a reatividade cognitiva e emocional negativa, auxiliando na produção de idéias, criatividade, desempenho e produtividade. A distração também é muito usada na fase da execução objetivando a mudança do foco em momentos em que as cognições entram em estado de exaustão, dificultando ou até mesmo paralisando a produtividade. Quando o estudante insiste em prosseguir sob efeito da exaustão, inicia-se um ciclo  que ativa e reforça cognições e emoções negativas resultando em comportamentos disfuncionais, uma vez que não é possível produzir quando se está muito cansado.

É preciso anular qualquer situação, pensamento ou comportamento que interfira negativamente nas expectativas de conduzir todo o processo ( desde o planejamento à execução ) de modo satisfatório. Um dos objetivos consiste em facilitar a adoção de habilidades e estratégias positivas para a resolução das dificuldades, aumentando, portanto, a motivação no envolvimento do trabalho, mesmo perante as adversidades e obstáculos. Entre as dicas práticas que podem auxiliar na fase da execução:

  • Em caso de bloqueio no momento da escrita, experimente focar em uma escrita mais livre. O bloqueio pode ser apenas uma conseqüência da insegurança para iniciar.
  • Se o bloqueio surgir ao longo da execução, pare! Procure fazer um relaxamento ou distrair-se mudando o foco para que seu cérebro possa descansar.
  • Respeite seu ritmo e plano de trabalho. Trabalhe de acordo com os seus objetivos a curto, médio e longo prazo.
  • Faça intervalos regulares, não espere que seu cérebro entre em exaustão cognitiva.
  • Pense que o feito é melhor do que o perfeito.
  • Substitua a crítica por pensamentos positivos que possam auxiliar no processo.
  • Programe as tarefas destinadas ao trabalho ( seja a escrita ou leitura) para horários estratégicos. Descubra qual é o melhor horário para você em relação à sua produtividade.
  • Não espere sentir desejo ou muita disposição para produzir. Ative seu comportamento para focar no que precisa ser feito.
  • Cultive pensamentos e adote comportamentos que possam auxiliar na produção e não na paralisação.
  • Preste atenção nas condutas e pensamentos de auto sabotagem, pois só servem para reforçar as crenças de incapacidade e a procrastinação.
  • Enfrente o estresse com condutas resilientes.
  • Não deixe para depois o que pode ser feito hoje. O acúmulo é uma estratégia auto sabotadora.
  • O horário que você determinar para dedicar-se ao seu trabalho, deve ser exclusivo ao propósito, portanto, tenha atenção aos outros estímulos que possam atrapalhar sua produtividade, como por exemplo: internet, redes sociais, televisão, celular, barulhos e conversas paralelas.
  • Não compare seu ritmo ou sua produtividade com seus colegas. O foco deve ser na sua produção.
  • Converse com colegas, familiares, amigos ou com o seu terapeuta sobre suas ansiedades. Troque idéias. Esteja aberto as novas condutas e estratégias.
  • Faça exercícios. A atividade física estimula a criatividade, alivia a ansiedade e o estresse.
  • Cuide bem da sua alimentação, pois você precisa de energia e disposição para ser criativo e produzir.
  • Durma o suficiente para sentir-se descansado, pois você precisa de disposição para ser criativo e produzir.
  • Fique atento aos sintomas de ansiedade e busque ajuda se for preciso.
  • Não condicione o inicio da escrita à leitura de várias referências bibliográficas. Seja seletivo e objetivo.
  • Não adote comportamentos extremos como, por exemplo, o isolamento social . Não deixe que sua vida seja dominada e controlada apenas pelo seu TCC.
  • Relaxe! Respire fundo e prossiga sempre!